Bahia Negra

R$40,00

de Jeferson Bacelar e Cláudio Pereira

REF: 8589655164 Categorias: ,

Descrição

A imagem produz uma forma de saber, a ponto da fotografia, por seu caráter inovador, ser considerada, pelo senso comum, uma “reprodução da realidade”.  Bahia negra na coleção do Museu Tempostal é, portanto, a forma como o negro foi “visto” na Bahia, nos finais do século XIX e primeiras décadas do século XX, o assunto deste livro. E, ele revela como o negro foi pensado na sociedade brasileira, por estrangeiros e brasileiros, mesmo após a extinção formal da escravidão. Absolutizou-se a primazia do branco e, simultaneamente, inferiorizou-se o negro: primeiro, sob o plano legal, durante a escravidão e, após a abolição, através de formulações sociais e culturais, com visíveis conseqüências na sua situação na economia.  Construiu-se a sua condição desigual e inferior na sociedade baiana. As imagens contidas neste livro irão revelar a naturalização da sua condição de trabalhador e pobre, as “tentativas” de invisibilização da sua presença, a exotização de corpos, faces e costumes, a sua despersonalização na realidade social.

O livro está organizado da seguinte forma: abre a publicação, além de uma apresentação – que se faz homenagem – do criador da coleção, Antonio Marcelino do Nascimento, um conjunto de pequenos textos, reflexões breves, mas que julgamos fundamentais para a compreensão do significado do negro no acervo do Museu Tempostal. Inicialmente, é feita uma apreciação da forma como o negro está incorporado à iconografia brasileira. Depois, é realizada uma reflexão sobre a presença do negro no estado da Bahia. Em seguida, é apresentado um pequeno histórico sobre a fotografia e os cartões postais. E, concluindo os textos, é elaborada uma leitura do negro na Bahia no acervo do Museu Tempostal. A partir daí, aparece o protagonista do livro, ou seja, o negro nos cartões-postais da coleção do Museu Tempostal.

Os autores

Jeferson Bacelar, também coordenador da coleção EtnoBahia, é doutor em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia; professor do Departamento de Antropologia e dos cursos de pós-graduação de Estudos Étnicos e Africanos e de Antropologia da UFBA. Pesquisador do Centro de Estudos Afro-Orientais, sendo especialista em relações étnicas e antropologia urbana. Com inúmeras publicações em revistas nacionais e estrangeiras, teve como seu último livro Mário Gusmão. Um Príncipe Negro na Terra dos Dragões da Maldade, publicado pela Editora Pallas em 2006. Atualmente dedica-se a estudos na área de Antropologia da Alimentação.

Cláudio Pereira é doutor em Antropologia pela Universidade de Campinas, professor do curso de Cinema e Vídeo da Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC – e dos cursos de pós-graduação de Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia. Pesquisador na área de Antropologia da Religião e Antropologia Visual, atualmente exerce o cargo de Vice-Diretor do Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA.

A coleção

A coleção EtnoBahia tem na sua denominação uma marca da sua proposta, ou seja, um caminho para o conhecimento com uma dupla abertura. Etno aparece para traduzir um sentido universalizante, ao se caracterizar como “povo” e seus costumes. E, no seu desdobramento, revela formas de interação que podem ir do étnico ao etnocídio e, por sua vez, ao afirmar a sua interdisciplinaridade, mostra a sua amplitude de interlocução, seja com a botânica, seja com a história. Porém, com a presença da Bahia chama-se a atenção para o regional, para o local, para uma “história de nós mesmos”, procurando na exotização do familiar uma mostra do que temos de específico.  É uma coleção que privilegia, sem tornar exclusiva, a Bahia como objeto de análise, contemplando trabalhos inéditos, mas também reedições e traduções de trabalhos atuais e consagrados, a enfatizar a riqueza da experiência humana.

Formato: 17×20,5 cm
Páginas: 84
ISBN: 8589655164
Peso: 185 gr
Ano: 2006
Preço: R$ 40,00

Informação adicional

Peso 0.185 kg
Dimensões 17 × 205 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Bahia Negra”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *